24 de Junho de 2003

Porto da Minha Infância

Aproveitando o facto de ter sido transmitido pela RTP2 no passado Domingo o documentário de Manoel de Oliveira "Porto da Minha Infância", deixo aqui um pequeno texto que já havia publicado acerca da obra. Apraz dizer que publiquei o texto no início do ano passado, tendo tido então interesse a referência ao Porto 2001, Capital Europeia da Cultura.

Em tempo de balanço do que foi o Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura, nada melhor do que destacar uma obra emblemática realizada pelo mais velho realizador do mundo em actividade e produzida, entre outros, pela Sociedade Porto 2001, que foi o “Porto da Minha Infância” de Manoel de Oliveira. De facto, o realizador português voltou a presentear a cidade Invicta com um filme que, apesar de não conter o peso dos anos que tinha o “Douro, Faina Fluvial”, mostra-se como mais importante visto que casa Oliveira e a nossa cidade desde a sua infância até aos dias de hoje.
Como um simbólico farol a iluminar a escuridão, também o realizador alumia a história portuense passando pelas confeitarias, pelo Palácio de Cristal, pela Rua 31 de Janeiro, pelos jardins, por aquela que foi a casa que o viu nascer e tudo isto ontem, hoje ... sempre. Desde o seu primeiro amor até à opereta Miss Diabo, Oliveira recorda como foi, como é e que, apesar das coisas desaparecerem, a memória permanece, mais ou menos viva. E a recordação é uma arma que não podemos perder, senão...tudo desaparece de vez.
E Manuel de Oliveira, com os seus invejáveis 93 anos, imortalizou as suas recordações num Porto da Minha Infância.

Sem comentários: