23 de agosto de 2011

Os jogos e os filmes

Se ainda não se deixaram convencer pelo filme dos xerifes contra alienígenas que tal sentirem a adrenalina do confronto num jogo?
Apesar de ter integração Facebook e vários avanços tecnológicos para desbloquear, "Absolution Training Grounds" não é um jogo tão complexo como seria de desejar. A intenção continua a ser apenas cativar espectadores para o filme com uma aplicação gratuita.

No entanto também há um jogo pago para telemóvel. E as mais importantes sagas são lançadas com um conjunto que vai desde colecção de roupa, comics books e brinquedos Lego, até ao jogo para cada capítulo cinematográfico. Aproveito essa deixa para falar sobre a ineficaz simbiose que se formou entre empresas de jogos e produtoras de cinema. Não me refiro a este em particular porque não saiu um jogo para consolas e PC, mas vocês sabem de quais estou a falar...


Começa a ser confusa esta mistura entre cinema e videojogos. Que se escreva um argumento com pés e cabeça para um jogo faz sentido, mas fazer um jogo com o fio condutor do filme e usar estratégias comuns de promoção ou mesmo a publicidade cruzada é um disparate. As pessoas não querem jogar tal como viram. Para isso o melhor seria oferecer o bilhete com o jogo e abdicar de alguma margem na bilheteira. Reparem que nem todos os espectadores teriam comprado o jogo pelo que lucrariam na mesma.

Fazer um jogo diferente do filme (abdicando de filmar a prequela/sequela) transferiria lucros do cinema para o jogo. Não se pode fazer sem ter a certeza de lucro, mas para ser franco, quantos estúdios não poderiam dar mais dez ou vinte milhões num orçamento de duzentos? O problema é que o desenvolvimento do jogo demora mais do que o próprio filme. Não pode começar antes porque o secretismo é essencial (na opinião deles) e não podem começar depois porque perdiam a janela de oportunidade/lucro (porque quando o tema não tem qualidade o interesse se esvanece).

Quando começarão a ver que não é com a venda do jogo oficial do filme que aumentam as receitas? O truque é usar tudo como propaganda de um único formato de forma a maximizar os lucros. Como entre merchandising, jogos, livros, DVD, etc, o produto que mais dificilmente será pirateado é a emoção de ir ao cinema, o filme tem de ser o objectivo principal.

Sem comentários: