3 de setembro de 2011

"Wake Wood" por Nuno Reis


Poucas coisas serão piores do que perder um filho. É sobre esse temido assunto que mais uma vez o cinema de terror se debruça nas duas propostas irlandesas que o MotelX apresenta este ano. Enquanto em “Outcast” uma mãe foge com o filho para o manter a salvo, em “Wake Wood” os pais não conseguem fugir da morte da filha.

Patrick e Louise eram um casal feliz com uma filha até que no dia do aniversário ela é brutalmente atacada por um cão. Passaram apenas dois minutos de filme e já se viu uma criança a ser desfigurada. Essa perda fez com que o casal se mudasse para um novo local, a aldeia de Wakewood. Patrick arranja emprego como veterinário trabalhando para Arthur e Louise gere uma farmácia. A dor está a destruir o casal, mas Wakewood em peso esconde um segredo que descobrem acidentalmente quando o carro se avaria. A magia pagã tem o poder de ressuscitar os mortos por três dias. Se conseguirem voltar a estar com Alice, se tiverem tempo para se despedirem o futuro será diferente e por isso fazem tudo para serem aceites na comunidade e no círculo mágico. São admitidos contra a vontade de alguns elementos e vão ter o que pediram.

A história pode parecer familiar a quem se lembrar dos Creed em "Pet Sematary". Na versão irlandesa o elenco é discreto - Timothy Spall é o nome mais sonante - mas a história está bem estruturada e nem as semelhanças lhe tiram interesse. O início acelerado coloca-nos logo enquadrados com a vida familiar e o isolamento a que se remetem. Sangue vai sendo derramado em pequenas doses para recordar que não é apenas um drama. O regresso de Alice muda algumas coisas. Ao devolverem-lhes a filha devolvem-lhes a alegria e tanto Patrick como especialmente Louise estão decididos a aproveitar ao máximo esses três dias. Essa parte do filme não está tão bem contada e um bocado mais de calma só faria bem, mas o ritmo é aceitável. O desfecho chega demasiado depressa e após uma sequência de momentos amadores culmina com uma cena forte, mas previsível.

O terror com crianças como vítimas é um género que incomoda muita gente, mesmo entre os amantes de terror. No entanto a atmosfera irlandesa e a bucólica paisagem fazem com que o filme seja sempre visto com um olhar particular, como se também o espectador fosse um forasteiro em Wakewood que não tem o direito de opiniar sobre o que lá acontece. Merece um visionamento. Afinal de contas, é um dos títulos que assinala o regresso da Hammer.

Wake WoodTítulo Original: "Wake Wood" (Irlanda, Reino Unido, 2011)
Realização: David Keating
Argumento: David Keating,
Intérpretes: Aidan Gillen, Eva Birthistle, Timothy Spall, Ella Connolly, Ruth McCabe
Música: Michael Convertino
Fotografia: Chris Maris
Género: Drama, Horror, Thriller
Duração: 90 min.
Sítio Oficial: http://www.thewakewood.com/

Sem comentários: