4 de dezembro de 2011

"The Help" por Nuno Reis


Como se pode não gostar de um filme que começa ao som de Johnny Cash? Pois a Jackson onde estamos prestes a entrar não é aquela provocante que serve de motivo para Johhny pedir June em casamento. Esta é a cidade mais racista dos EUA onde a segregação nos anos 60 é tal que não se percebe se o racismo perdeu ou ganhou a Guerra da Secessão. Uma empregada negra narra o dia-a-dia daquelas que como ela são pagas, mas não se sentem muito melhor do que uma escrava cem anos antes. Como trabalham para cuidar de crianças que as adoram, mas que ao crescer se tornam iguais às suas mães com detalhes do género casas de banho separadas, comer de pratos diferentes, não se tocarem... Aquilo que dez anos antes indignou Rosa Parks (a 550 km de distãncia) e mudou o país, no Mississipi não era levado à letra. Por sorte há sempre excepções.
O filme começa quando Jackson festeja o regresso de uma das suas filhas. Eugenia “Skeeter” Phelan, quatro anos a estudar no exterior chega com vontade de escrever e de mudar mentalidades. A sua mentalidade progressista e a capacidade de observação fazem-na constatar que alguém tem de tomar uma posição. Decidida a ser mais do que uma mulher destinada a cuidar da casa e fazer filhos, vai começar a recolher depoimentos das empregadas para um livro sobre esta escravatura moderna. Só que absolutamente ninguém quer falar e o prazo está muito apertado para coincidir com uma aparição pública de Martin Luther King Jr. …

O filme é bastante razoável em quase tudo, mas o elenco é inacreditável. Esta é uma história sobre mulheres que mudaram uma vila e não seria possível sem um elenco de primeira. Entre as empregadas destacam-se Viola Davis como Aibileen, a narradora, e Octavia Spencer, a inconformada. Entre as patroas destacaria Hilly Holbrook, a líder do comité pelos bons costumes, e Celia Foote, ostracizada por ela. As actrizes que lhes dão vida são as grandes Bruce Dallas Howard e Jessica Chastain, e Sissy Spacek faz de mãe da primeira. E claro que Skeeter é Emma Stone num papel ao seu gosto: divertido e irreverente. Se não cairem aqui nomeações para Oscar há algum problema no sistema de contagem dos voto.

A única forma de lidar com os grandes problemas é com um sorriso e por isso o filme mais importante para a igualdade racial desde “The Color Purple” não passa a sua mensagem com drama e tragédia para causar desconforto, mas com um toque de humor e humanidade. Também tem momentos intensos e inclusivamente mortes, mas mantém o espectador numa zona de conforto para poder passar o recado. No século XXI as discriminações são outras, mas as pessoas não podem nunca esquecer os seus erros sob risco de os voltarem a cometer.

The HelpTítulo Original: "The Help" (Emiratos Árabes Unidos, EUA, Índia, , 2011)
Realização: Tate Taylor
Argumento: Tate Taylor (livro de Kathryn Stockett)
Intérpretes: Viola Davis, Emma Stone, Octavia Spencer, Bruce Dallas Howard, Jessica Chastain, Ahna O'Reilly, Chris Lowell
Música: Thomas Newman
Fotografia: Stephen Goldblatt
Género: Drama
Duração: 146 min.
Sítio Oficial: http://thehelpmovie.com/

Sem comentários: