23 de abril de 2013

Cinema e Arquitectura



CINEMA ÀS SEXTAS - CICLO CINEMA DE ARQUITECTURA EM MAIO
A Sétima Arte vai dominar as atenções em Maio na Ordem dos Arquitectos. Todas as sextas-feiras ao final do dia, o auditório da Ordem dos Arquitectos abre-se, sempre às 21h30, para uma sessão de cinema de arquitectura, num total de cinco ao longo do mês. A iniciativa resulta de uma parceria entre a OASRS e a Zero em Comportamento.

O ciclo prevê a exibição de fimes, seguida em alguns casos, de uma conversa com convidados. Pelo Auditório da OA passarão os realizadores Graça Castanheira, Tiago Hespanha, Filipa Reis e João Miller Guerra, bem como João Roquette, CEO do Grupo Esporão, e os arquitectos José Charters Monteiro e João Botelho do atelier João Botelho+Miguel Oliveira Arquitectos.
Os bilhetes, à venda no próprio dia de exibição no edifício da Ordem dos Arquitectos, são de 2,50€ para membros da OASRS, de 3,00€ para público em geral e 12,50€ para o ciclo completo.


PROGRAMA EM SÍNTESE
3 de Maio - 2 filmes: “Quinta dos Murças – O Projecto” e Alto Relevo – Canto ao Douro e ao Vinho + Conversa com Graça Castanheira, Pedro Roquete e João Botelho.
Degustação de vinhos, cortesia Quinta dos Murças.
10 de Maio - “The Human Scale”
17 de Maio - 3 curtas: “The Future Will not be Capitalist”, “Unfinished Italy” e “Bela Vista” + Conversa com Filipa Reis, João Miller e José Charters Monteiro.
24 de Maio - “The New Rijksmuseum”
31 de Maio - “Mark Lewis: Nowhere Land” + Conversa com Tiago Hespanha.




PROGRAMA EM DETALHE
3 de Maio, 21h30
Quinta dos Murças – O Projecto
Graça Castanheira, 40', 2011, Portugal, Esporão + Pop Filmes 2011
A história por trás do novo momento do Esporão com os vinhos do Douro.
Trailer: https://vimeo.com/20267537

Alto Relevo – Canto ao Douro e ao Vinho
Graça Castanheira, 14’, 2011, Portugal, Esporão + Pop Filmes 2011
Para celebrar o lançamento dos vinhos da Quinta dos Murças, o Esporão decidiu encomendar um filme documentário à realizadora Graça Castanheira. O "Alto Relevo" nasce da visão da realizadora sobre o Douro e o Vinho.

10 de Maio, 21h30
The Human Scale
Andreas M. Dalsgaard, 2012, 77’, Dinamarca
Trailer: https://vimeo.com/51436648
50 por cento da população mundial vive em áreas urbanas. Em 2050, este número crescerá 80 por cento. A vida numa mega-cidade é ao mesmo tempo encantadora e problemática. Hoje enfrentamos o pico da exploração petrolífera, mudanças climáticas, solidão e problemas de saúde dramáticos por causa do nosso estilo de vida. Porquê? O holandês Jan Gehl, professor e arquitecto, estudou o comportamento humano nas cidades durante 40 anos e documentou a forma como as cidades modernas repelem a interacção humana. Gehl defende que podemos construir cidades de forma a respeitarem as necessidades humanas de inclusão e intimidade.
The Human Scale consulta pensadores, arquitectos e urbanistas em todo o mundo, questionando as nossas presunções sobre modernidade, explorando o que sucede quando se colocam as pessoas no centro do nosso planeamento.

17 de Maio, 21h30
1 - The Future will not be Capitalist
Sasha Pirker, 20’, 2010, Áustria | Sixpack Film
Trailer: https://vimeo.com/59052487
No final dos anos 60 do século passado, Óscar Niemeyer desenhou o quartel-general do partido comunista francês. Este filme estuda a relação entre este edifício, com as suas características futuristas, e a situação contemporânea de projectos políticos, realidade económica e atitudes estéticas. São utilizados diferentes métodos cinematográficos para fornecer diferentes pontos de vista sobre este tão incomum edifício enquanto um espaço fisíco, uma insttuição e um documento histórico, analisando assim o seu efeito estético, a sua utilização, o seu uso e o seu sentido politico e simbólico.

2 - Unfinished Italy
Benoit Felici, 33’, 2011, Itália | Zelig Film
Edifícios num limbo entre a perfeição e o nada. Desistiram deles a meio da construção e tornaram-se ruínas antes mesmo de serem usados. Estes edifícios fazem parte da paisagem arquitectónica de Itália. O filme estuda o valor potencial dos prédios inacabados em Itália e a capacidade do homem para adaptá-los às suas necessidades diárias. Estas ruínas, cujo futuro já passou e cujo presente carrega o sabor de uma eterna espera, são um convite para meditarmos sobre o tempo.
Trailer: http://vimeo.com/17796072

3 - Bela Vista
Filipa Reis e João Miller Guerra, 30’, 2012, Portugal | Vende-se Filmes
Vivências, palavras, gestos e olhares cruzam-se à nossa frente, num caos ordenado pelo quadriculado das janelas e varandas. Fileiras de prédios interligados por corredores debruçados sobre pátios. Portões definem a propriedade de cada um. A geometria da vida de um bairro: a Bela Vista.

24 de Maio, 21h30
The New Rijksmuseum
Oeke Hoogendijk, 120’, 2008, Holanda, Pieter van Huystee Film
Trailer: https://vimeo.com/59052519
A demolição e o desmantelamento deveriam dar origem a algo novo e belo, mas revelou-se mais fácil destruir do que construir. Desde o início, a renovação do Rijksmuseum pareceu assombrada por múltiplas comissões, pela Associação dos Ciclistas de Amesterdão, por diversos regulamentos para a construção e por muita “politiquice”, pelo que a reabertura teve de ser adiada diversas vezes. Os anos foram passando e a frustração ganhou terreno.

31 de Maio, 21h30
Mark Lewis: Nowhere Land
Reinhard Wulf, 82’, 2011, Alemanha
Trailer: https://vimeo.com/59052139
O documentário é a segunda longa-metragem de Reinhard Wulf depois do sua estreia com "James Benning - Circling the Imagem" (2003) que acompanha o artista canadiano Mark Lewis em trabalho em Toronto. Normalmente projectados em loop, os pequenos e silenciosos filmes de Mark Lewis - a maior parte gravados em Londres e Toronto -, exibem áreas urbanas e arquitectura moderna. Os filmes exploram meios cinematograficos básicos e mais recentemente técnicas de projecção mais sofisticadas.
Mark Lewis nasceu em 1957 em Hamilton, no Canadá. Vive em Londres. Representou o Canadá na Bienal de Veneza 2009.
O documentário acompanha o artista enquanto gravava o seu filme mais recente "Mid Day Mid Summer, Corner of Yonge and Dundas", num cruzamento no centro de Toronto. Enquanto regressa a locais na cidade e às paisagens deslumbrantes de Algonquin Park, onde filmou a sua obra anterior, Mark Lewis fala eloquentemente do seu interesse pela arquitectura, o seu fascínio por não-lugares, os seus métodos de trabalho e as suas convicções como artista e realizador.

CINEMA ÀS SEXTAS
Ciclo de Cinema de Arquitectura
Maio - 3, 10, 17, 24 e 31 às 21h30
Auditório da Sede da Ordem dos Arquitectos
Bilhetes: membros OASRS - 2,50 € | público - 3,00 €, Ciclo completo - 12,50
Organização:
Secção Regional do Sul da Ordem dos Arquitectos com a Zero em Comportamento
Apoios: Quinta dos Murças

Sem comentários: