22 de abril de 2015

"Paddington" por Nuno Reis

Nada é tão fofo com um urso trapalhão e educado

Se não conhecem o urso Paddinton, perguntem aos vossos pais. Avós? Decerto alguém se lembrará deste ursinho que há muitos anos era uma figura tão recorrente no merchadising infantil como hoje em dia será uma Kitty, Violeta ou Spider-Man, especialmente em terras britânicas. Com duas dezenas de livros publicados desde 1958 e traduzido para mais países do que seria de esperar, as desaventuras do urso peruano atingiram um estatuto quase lendário. É incrível como a adaptação a cinema demorou tanto. Verdade seja dita, as adaptações para televisão foram várias e espaçadas, tendo tido séries nas décadas de 70, 80 e 90. Este filme tem sido comentado desde 2007 e só em 2014 estreou (2015 para Portugal) o que revela a preocupação que tinham em fazer algo em condições. Se há coisas com que não se brinca, é o urso favorito de milhões.
Esta versão cinematográfica foi entregue ao relativamente desconhecido Paul King, que co-escreveu o argumento com Hamish McColl, outro desconhecido (escreveu as sequelas dos filmes de Rowan Atkinson). O elenco vocal era muito forte, com Imelda Staunton, Michael Gambon e Ben Whishaw, complementado pela presença física de Sally Hawkins e Hugh Bonneville como o casal Brown. O pequeno cameo de Jim Broadbent desilude, mas depressa esquecemos esse detalhe e nos perdemos de riso.
Para o filme a inspiração não foi uma qualquer história entre a panóplia existente. Nem sequer um livro pois são histórias muito pequenas e independentes que nunca dariam uma longa metragem. Em vez disso usaram as primeiras quatro histórias do primeiro livro para o apresentarem, juntaram uma explicação razoável para a sua origem, arranjaram uma trama empolgante para ficar suficientemente longo, e usando (penso que) apenas mais dois contos de Paddigton, deram-nos uma história com patas e cabeça.
A origem de Paddington é tão incrível como esperaríamos para um urso vindo do Peru que vai parar a uma estação no meio de Londres. Como não podia deixar de ser, explica a sua obsessão por marmelada, de onde vem o icónico chapéu e porque se deve guardar sempre uma sandes para as emergências. Absolutamente delicioso. A aventura londrina com os Brown (diferentes dos que conhecemos nos livros) está bem construída para filme infantil. As participações de Nicole Kidman como a malvada taxidermista que quer um urso na colecção, de Peter Capaldi como o metediço vizinho Mr. Curry, ou de Julie Walters como Mrs. Bird, podem ser um chamariz para o público mais velho, mas no fim o que vai interessar é o que pensa a vossa criança interior. O filme "Paddington" é basicamente o urso Paddington e ele vai usar todas as armas para agarrar os corações e os apertar com muita força. Meio século depois o seu jeito trapalhão continua a ser irresistível.
Do ponto de vista técnico a animação CGI já nos deu filmes semelhantes. Basta recordar "Ted" que está quase de volta e onde o charme de um urso também foi eficaz, apesar de não ter a mesma educação do primo peruano. Se querem fazer uma sequela para "Paddington", estão à vontade. Pela amostra deste primeiro filme, será muito difícil conseguirem fazer algo que não seja adorado pelos pais e (talvez) também pelos filhos. Não se esqueçam é da primeira regra e "Por favor tomem conta deste ursinho. Obrigado."


PaddintonTítulo Original: "Paddinton" (França, Reino Unido, 2014)
Realização: Paul King
Argumento: Paul King, Hamish McColl (baseados no livros de Michael Bond)
Intérpretes: Ben Whishaw, Sally Hawkins, Hugh Bonneville, Nicole Kidman, Imelda Staunton, Michael Gambon, Julie Walters, Peter Capaldi
Música: Nick Urata
Fotografia: Erik Wilson
Género: Comédia, Família
Duração: 95 min.
Sítio Oficial: http://www.paddington.com/

Sem comentários: