24 de janeiro de 2007

"Stranger Than Fiction" por Nuno Reis

Harold é um homem que só pensa em números. Escova cada um dos seus 32 dentes 72 vezes, percorre um quarteirão com 57 passos, e chega sempre no último instante ao autocarro das oito e dezassete. Todos os momentos do seu dia são cronometrados pelo seu fiel relógio que lhe indica a hora de acordar, de comer, de se deitar. Cumpre o seu horário com uma pontualidade que faria qualquer britânico corar, ou não fosse obra de uma inglesa... Estranho? Não, estranho é Harold subitamente descobrir que a sua monótona vida como auditor do IRS está a ser embelezada pela voz de uma narradora com sotaque britânico. Enquanto metade das pessoas o acha louco, ele acha-se perseguido e com a ajuda de um estranho professor de Literatura irá procurar a voz que anuncia a sua morte.

Depois de ter interpretado um psico-detective em "I Love Huckabee’s" - um filme que ainda agora me coloca a pensar – Dustin Hoffman é agora o professor que tentará descobrir, num filme menos estranho mas igualmente perturbador, que mente estará por trás de tal confusão. O humor nesta obra é subtil, versa sobre as únicas coisas que são garantidas na vida, a morte e os impostos, e todos sabemos que estes são dois temas que só podem ser divertidos se aplicados a outros. "Stranger Than Fiction" é protagonizado por um Will Ferrell mais consistente, no seu primeiro papel sério. O seu amor é para Maggie Gyllenhaal que tem aqui uma excelente personagem, bastante divertida e provocadora de enormes sofrimentos para o artista.
Na história paralela à de Harold, Emma Thompson interpreta uma escritora com bloqueio que acabou de receber uma assistente (Queen Latifah) por parte da editora para ajudá-la a concluir a obra-prima. As duas irão procurar a morte ideal para matar a personagem do livro, um tal Harold, auditor do IRS. Esta segunda história é a tragédia que equilibra o filme, que torna uma história ridícula sobre um homem e o seu relógio em algo totalmente novo e digno de ser visto. Também Emma Thompson tem neste filme um dos melhores papeis da sua carreira.
O auditor luta pela vida, a pasteleira pelos seus ideais, a escritora pela inspiração, a secretária pelos prazos e o professor acompanha tudo com uma quase mórbida curiosidade. Harold terá de enfrentar a morte mais brilhante que a sua autora já escreveu. Será Harold capaz de morrer com dignidade? Um filme surpreendentemente bom e com um final tão perfeito que acaba por desiludir.


Título Original: "Stranger Than Fiction" (EUA, 2006)

Realização: Marc Forster
Intérpretes
: Will Ferrell, Emma Thompson, Dustin Hoffman, Maggie Gyllenhaal, Queen Latifah
Argumento: Zach Helm
Fotografia: Roberto Schaefer
Música: Max Richter
Género: Comédia/Drama/Fantasia/Romance
Duração: 113 min.
Sítio Oficial: http://www.sonypictures.com/movies/strangerthanfiction/

1 comentários:

Anónimo disse...

O final até pode ser demasiado "perfeito", mas todo o filme é uma lufada de ar fresco - originalidade, reflexão, comédia/tragédia, belos momentos, óptimos desempenhos... (e sim, Dustin Hoffman faz um pouco lembrar a sua personagem dos Huckabees mas isso acaba por até funcionar a favor, já que esse filme é das melhores coisas que nos "cairam" na terra nos últimos anos...