3 de abril de 2006

"V for Vendetta" por Nuno Reis


Com a chegada das férias começam a estrear por cá alguns dos blockbusters que já causaram sensação um pouco por todo o mundo. Hoje o destaque vai para “V for Vendetta”, um filme futurista que alerta para os perigos escondidos na actualidade. A sociedade desta nova Inglaterra foi inspirada na Alemanha dos anos 30. Também aqui os não cristãos, os homossexuais e os revolucionários da oposição são exterminados, a normalidade é a necessidade absoluta e o Chanceler tudo fará para a conseguir.

O super-herói desta banda desenhada escapa ao normal. O (anti-)herói da história é V, um homem misterioso que usa sempre máscara, é imune às balas e move-se com uma velocidade estonteante. Em tudo o resto não se parece com um herói pois não tem identidade secreta e é capaz de fazer tudo, sem sentir remorsos… Como nenhum homem poderia combater o sistema, essa tarefa é assumida por um ideal, V não é um humano, é a encarnação desse ideal.

Cinco de Novembro é a data fulcral. V anuncia com um ano de antecedência que pretende fazer explodir o Parlamento exactamente no mesmo dia em que Guy Fawkes o tentou e usando sempre uma máscara desse revolucionário vai matando alvos seleccionados. Enquanto isso Fich, o inspector encarregado de o capturar, em busca da identidade de V vai juntando as peças do passado e percebe que algo de errado foi escondido em relação aos atentados perpetrados por terroristas vinte anos antes que levaram às rápidas transformação político-sociais. Teria o governo sido capaz de realizar um ataque contra o seu próprio povo para levar as pessoas a odiar e a combater? Não foi isso insinuado em relação à tragédia do 9/11? Uma sociedade tão facilmente comparável à de “1984” e porém tão igual ao mundo em que vivemos. O medo do terrorismo e a paranóia da segurança levou os governos a limitarem ao máximo a liberdade do indivíduo. A obra de Orwell era mais ficcionada e esta é menos extremista, contudo leva-nos a pensar aquilo para que nos dirigimos.
Este filme como blockbuster assumido de raiz, prima pelo elenco reunido. Argumento dos irmãos Wachowski baseados numa BD da DC Comics, o protagonismo foi entregue à oscarizada Natalie Portman e a Hugo Weaving (que nunca mostra a cara), como vilão de serviço o incomparável John Hurt e ainda participações de Stephen Rea e Tim Pigott-Smith.
Como drama e filme de acção está bom, como ficção está assustadoramente credível. Tem alguns momentos irreais mas tem também muitos daqueles tão bem feitos que dão vontade de rever o filme ainda antes de ter acabado. Sobra a moral do filme: as massas são facilmente controláveis, tanto pelo bem como pelo mal, quem controlar o povo controla o país.





Título Original: "V for Vendetta" (EUA, 2005)
Realização: James McTeigue
Intérpretes: Natalie Portman, Hugo Weaving, Stephen Rea, John Hurt
Argumento: Irmãos Wachowski
Fotografia: Adrian Biddle
Música: Dario Marianelli
Género: Acção/Drama/Thriller
Duração: 132 min.
Sítio Oficial: http://vforvendetta.warnerbros.com/

1 comentário:

H. disse...

Sem dúvida que tb senti essa vontade de o rever qdo ainda estava na sala!
É realmente um tipo diferente de "herói" e uma história bem construída e actualmente pertinente.
Um surpreendente 'blockbuster' !