21 de abril de 2013

Televisão na internet


Que o mercado das séries televisivas é o mais afectado pela internet todos sabemos. Um episódio ao estrear num país fica imediatamente disponível para todo o mundo.
A hipótese de vender episódios online nos sites dos canais ou plataformas indepndentes como o Hulu não estão a ter o sucesso esperado em comparação com a versão ilegal/gratuita. No entanto a Amazon que conhece o online como poucos está a entrar nesse mercado sem medo (oferecem o piloto de Zombieland a custo zero!).

Ponho-me a pensar:
De que forma fazer séries para internet pode ajudar mentalidades?
Quantas visitas são necessárias para que a publicidade no site compense o custo de produção?
Dentro de vinte anos quando as boxes permitirem fintar a publicidade e todo o conteúdo estiver online, quais serão as fontes de receita das televisões? Farão conteúdos para o online?

Estamos a viver o início de uma revolução dos media, só ainda não percebemos até que ponto os pesos-pesados se vão adaptar aos novos tempos, ao aparecimento de novos intervenientes, e aos novos públicos que exigem tudo imediatamente em vez de se regerem pela regra ultrapassada de cumprir os horários.

1 comentário:

Nuno Pereira disse...

As boxes são um "chulanço" grande dos ISP. Elas hoje já praticamente não fazem falta quando mais daqui por 20 anos. Um LCD ligado a net e pronto nem vai ser preciso descodificador de TDT ;)

Mas percebo a complicação que vai ser até porque às novas gerações vão se rir das cassetes VHS e dos outros suportes físicos que nós sempre compramos.

Eu ponho-me é a pensar que essas novas gerações talvez não apanhem o habito de comprar como nós compramos ou então o mercado digital têm que ser virado do avesso...

Provavelmente começaremos é a ver series de tv com um banner de publicidade por cima!