22 de novembro de 2009

Scarlett Johansson, cantactriz




Por acaso a actriz/cantora de quem falei ontem hoje faz anos. A carreira mais recente desta jovem dispensa apresentações. Contudo não lhe faltam títulos famosos no passado. Desde os 9 anos que faz cinema como por exemplo sendo quase a irmã adoptiva de "North" ou a filha raptada a Sean Connery em "Just Cause" e outro pequenos papeis. Em 1998 começa a dar nas vistas com "The Horse Whisperer " e em 2001 confirma o estatuto de estrela em ascensão: faz um pequeno papel em "The Man Who Wasn't There" dos Coen, e um grande papel em "Ghost World". A partir daí a fama era inevitável. 2003 foi o ano dela com "Lost in Translation" e "Girl With a Pearl Earring".


Depois desse ano dourado Woody Allen confiou-lhe o protagonismo em três filmes ("Match Point", "Scoop", "Vicky Cristina Barcelona") e pelo meio fez vários blockbusters para rechear a conta bancária. A variedade tem sido frequente, nunca se sabe se o próximo filme será uma produção de muitos milhões ou algo indie.


Em 2008 lançou um CD onde cantava a solo originais de Tom Waits, em 2009 mudou a receita e faz dupla com Pete Yorn. O primeiro CD foi pouco divulgado, este tem sido muito falado.



2 comentários:

Pedro Pereira disse...

Ora aqui está uma actriz que nunca me seduziu. É certo que é bonita, mas não consigo deixar de a considerar algo de vulgar como intérprete.

Nuno disse...

É por fases. No último que vi - "He's Just Not That Into You" - estava bastante insossa.