24 de março de 2011

"Camino" por Nuno Reis

Como é bom ser manipulado assim

Vencedor claro dos Goya em 2009, onde conquistou prémios para melhor filme, realizador, argumento e três de interpretação, "Camino" chega a Portugal dois anos e meio depois da estreia mundial. Neste caso não fez grande mal porque é um filme que resiste bem aos anos.
O tema é a religião e o fanatismo. Não aquele fanatismo que causa guerras pelo mundo fora, mas o que vitima pessoas escondido dentro de casa.

Camino é uma rapariga na pré-adolescência. Esta naquela fase em que quer fazer muitas actividades e a mãe tem de impor limites para não prejudicar os estudos. Até que de repente Camino descobre ter um problema de coluna e é operada. A uma operação sucede-se outra, e outra, é internada num hospital, mudada para outro... A família está em desespero, mas Camino mantêm-se calma, porque ama Jesus. Este é o retrato de uma família que se vai deteriorando subjugada à Opus Dei, onde há uma criança a morrer, a mãe quase deseja que ela morra, o pai sofre e a irmã é como se estivesse morta.

Exibido em antestreia no Fantasporto há três semanas, este é um filme a que não se fica indiferente por culpa dos actores. O pai (Mariano Venancio) com quem nos solidiarizamos é um herói por tudo o que faz e sofre. Depois há a mãe (Carme Elias) que nos apetece esbofetear por tudo o que faz as filhas passarem. Finalmente e principalmente porque Camino (Nerea Camacho) é uma criança adorável e uma actriz fenomenal. A dor e o amor que transmite são tão reais que por vezes nos esquecemos que é apenas um filme e parece ser mesmo o sonho de uma criança. E um segredo que apenas o pai e o espectador partilham é que não passa de um mal-entendido.
Este filme é um ataque ao fanatismo e à protecção irracional que arruina vidas. É um elogio ao amor inocente e à alegria de viver. Manipula-nos contra a Opus Dei e contra o extremismo. Nunca deixa de transmitir a sensação de dor que os intervenientes sentem e tem cenas docemente cruéis cirurgicamente colocadas para causar lágrimas. E mesmo sabendo que não passa de propaganda e que nos quer influenciar, é uma receita que funciona e que se aplaude.

O cinema agora é tão usado como ferramenta de marketing e manipulação que criamos defesas. Digo que vou ser manipulado com enorme gosto porque "Camino" é um filme que tenciono rever muitas vezes pela técnica, pela história e pelas interpretações. È um grande filme e tudo o resto, incluindo o tema, é acessório.


CaminoTítulo Original: "Camino" (Espanha, 2008)
Realização: Javier Fesser
Argumento: Javier Fesser
Intérpretes: Nerea Camacho, Carme Elias, Mariano Venancio, Manuela Vellés, Lucas Manzano
Música: Rafael Arnau
Fotografia: Alex Catalán
Género: Drama
Duração: 138 min.
Sítio Oficial: http://www.caminolapelicula.com/

Sem comentários: