6 de março de 2011

A justiça é lenta... e cega


O Antestreia, cumprindo mais uma vez o seu papel de porta-voz SciFiWorld em Portugal, de defensor do livre acesso ao cinema como expressão cultural, e de adepto dos festivais de cinema fantástico de todo o mundo, publica aqui o editorial com que a revista espanhola divulgou um atentado cultural que se vive no país vizinho.

Enquanto o Fantasporto dá a Prémio Especial do Júri a "A Serbian Film", O Ministério Público de Barcelona, acusou Ángel Sala do delito de exibição de pornografia infantil. Será que o país está louco?

Os portugueses estão surpreendidos com esta notícia porque aqui o filme foi exibido duas vezes, e vai passar novamente hoje à noite. Em Espanha os portugueses sempre foram considerados um povo conservador, sem ofensa, talvez um pouco mais atrasada do que a progressiva Espanha. A verdade, como é óbvio, é completamente diferente.

Como é possível que o Ministério perca tempo com algo tão absurdo como uma acusação contra Ángel Sala por ter exibido um filme? É de mim ou estamos a retroceder como sociedade a passos gigantes? Seria mais "lógico" que acusassem o cineasta de "Um Filme Sérvio" ou o produtor, mas em caso algum, a cabeça visível de um dos mais respeitados festivais internacionais do nosso país "progressista".

A verdade é que o cenário que enfrentamos é realmente triste. Não vou entrar em discussões sobre os valores do filme, se for preciso procurá-los seguramente que os tem, nem entrarei se é ou não moral mostrar certas coisas num filme. O que quero enfatizar é que parece absolutamente incrível que o dinheiro dos contribuintes, que tanto custa a ganhar e o estado leva logo com os temidos impostos seja absurdamente desperdiçado por uma "birra" de alguns que, de certeza, nem sequer viram o filme.

Ángel Sala é tão responsável pelo delito que lhe pretendem imputar como todos nós que fomos ao cinema em Sitges ver o filme ou as centenas de milhar que o descarregaram na internet graças à publicidade que deram a esta absurda polémica. Os exemplos têm sido muitos , e muitos causaram uma polémica parecida tanto aqui como no estrangeiro. O importante é que não se limitem as nossas liberdades e tenhamos o poder de decidir o que queremos ver ou não, sempre dentro de um limite claro. Mas qualquer imposição é impensável. do que estamos a falar? De retroceder quarenta anos na história do nosso país? Teremos de voltar a cruzar a fronteira para ver filmes como fizeram os nossos pais para ver "O Último Tango em París"?

Daqui damos o nosso sincero apoio a Ángel Sala e ao pessoal incrível do Festival Internacional de Cinema Fantástico da Catalunha, Sitges e exorto-vos a fazer o mesmo postando comentários, com o vosso apoio nesta notícia. Não à censura! Hoje é Ángel Sala, mas amanhã seremos nós.

Ángel, a Scifiworld apoia-te e connosco todos os fãs de cinema fantástico do país.

Saudações a todos e viva o fantástico!


Do lado de cá também o Antestreia e o Fantasporto reproduzem o apoio a um amigo de longa data que teve a coragem de mostrar um filme que até então já tinha passado no South by Southwest, Bruxelas, Haapsalu, Novi Sad, Fantasia, Puchon, FrightFest e Raindance entre muitos outros. Filme que esteve em exibição no Marché do Film em Cannes cinco meses antes de Sitges. Filme que ganhou 3 prémios no Canadá, e percorreu toda a Europa sem problemas de maior sendo apenas censurado na Espanha e cortado na Inglaterra.
Tenho orgulho em ser português.

Sem comentários: