24 de junho de 2011

"Detective Dee and the Mystery of the Phantom Flame" por Nuno Reis

Quando título e sinopse não chegam

Um problema de se ir a um mercado de filmes é que quando se tem 40 salas a debitar filmes em contínuo não há tempo para pensar no que se quer ver. Faz-se um plano inicial e tenta-se não fugir muito a isso ao longo do dia. Ou seja, marca-se uns sete ou oito, assiste-se a cinco desses e uns cinco por sugestão de alguém que se encontrou ou apenas por proximidade da sala. Se sobrar tempo procura-se no programa algo com um título sonante e vai-se espreitar.
Di Renjie Detective Mystery Phantom Flame

Tenho de confessar que o título de sonoridade infantil “Detective Dee and the Mystery of the Phantom Flame” não era muito apelativo e foi quase por sorte que vi este elemento da selecção de Veneza.
Di Renjie Detective Mystery Phantom Flame

Podem ser feitos muitos filmes assim todos os anos em Hong Kong, mas a quantidade que chega ao ocidente é muito reduzida pelo que esses poucos parecem únicos. De todos os blockbusters asiáticos em Cannes este era o mais interessante.
Di Renjie Detective Mystery Phantom Flame

No século VII uma mulher está prestes a ser coroada Imperadora da China após anos como regente. O gigantesco Buda que constrói junto ao palácio será o monumento imtemporal do seu reinado, mas durante a apresentação do mesmo a um embaixador espanhol, um homem simplesmente entra em combustão. Os detectives oficiais entram em acção e um deles também arde. Os homens ao serviço da coroa preocupados com uma possível maldição ou um assassino indetectável não conseguem resultados e por isso a governante manda desencarcerar o Detective Dee, seu feroz opositor, mas também o melhor detective que existiu. Dee, uma assistente da regente e um detective da corte vão-se embrenhar numa aventura contra assassinos, fantasmas, maldições, e demónios interiores.
Di Renjie Detective Mystery Phantom Flame

Como seria de esperar tem muitas artes marciais, mas o ponto de destaque é que se baseia numa personagem real desse período. A China tem enorme respeito por ele e as adaptações são frequentes, contudo nunca chegaram a esta dimensão. Aqui temos um épico de duas horas onde apenas daria dois destaques negativos. A história é muito previsível (apesar de ter um desfecho inesperado) e nos efeitos visuais os barcos eram demasiado obviamente feitos por computador. Os outros efeitos visuais, os sonoros, a fotografia, as coreografias e demais acessórios da história são fabulosos. Nos efeitos especiais nota-se que se esforçaram por fazer algo bom sem complicar e sem desperdiçar dinheiro, optando quando possível por algo simples e igualmente espectacular que estúdios de Hollywood não fariam. Tem ainda muito sentido de humor e um protagonista íntegro e cheio de moral. Dá para uns momentos bem passados.

Di RenjieTítulo Original: "Di Renjie" (China, Hong Kong, 2010)
Realização: Hark Tsui
Argumento: Kuo-fu Chen, Jialu Zhang, Lin Qianyu
Intérpretes: Andy Lau, Bingbing Li, Chao Deng, Carina Lau
Música: Peter Kam
Fotografia: Chi Ying Chan, Chor Keung Chan
Género: Acção, Crime, Thriller
Duração: 118 min.

Sem comentários: